terça-feira, 4 de agosto de 2015

Intel anuncia tecnologia de memórias que vai 'inaugurar os jogos em 8K'


A menos que você seja dono de um computador que está fora de realidade da maioria esmagadora dos jogadores da atualidade, então é provável que sequer tenha mal tenha começado a ter suas primeiras experiências com games em 4K. Isso, no entanto, não parecer ter impedido a Intel e a Micron de irem além e afirmarem ter produzido um salto tecnológico que logo nos permitirá aproveitar nossos jogos favoritos com 8K de resolução.
Gigantes no ramo dos semicondutores, as duas empresas se uniram para anunciar que começaram a produzir uma nova categoria de memórias. Com o nome 3D XPoint, a próxima geração de chips consegue atingir velocidades até 1 mil vezes mais rápidas do que as NAND que são usadas na maioria doscomputadores atuais. Com a novidades, os processadores poderão lidar com quantidade enormes de informação com uma rapidez sem precedentes.
“Por décadas, a indústria buscou formas de reduzir o tempo de atraso entre asCPUs e os dados para permitir análises muito mais ágeis. Essa nova classe de memória não volátil atinge essa meta e traz um desempenho que vai mudar o cenário das soluções de memória e armazenamento”, afirma Rob Crooke, gerente geral da Intel.

Superando barreiras

Os chips do tipo NAND vêm agindo como o padrão da indústria desde sua chegada, em 1989. No entanto, o avanço das tecnologias exige um desempenho que esses componentes datados não conseguem fornecer e eles passaram a funcionar como um gargalo para PCs com mais desempenho. Com o 3D XPoint, companhias como Google e Facebook poderiam incrementar suas iniciativas de aprendizado de máquinas e inteligências artificiais.
Similarmente, médicos e pesquisadores poderiam contar com sistemas capazes de rastrear doenças em tempo real. E os vídeo games, por sua vez, poderiam atingir níveis de detalhes que hoje soariam como algo impensável, como os 8K citados pela Intel. Enquanto os chips atualmente presentes em consoles como oPlayStation 4 e o Xbox One muitas vezes sofrem para chegar aos 1080p, a novidade não teria problema para atingir 7.680p.
Agora nos resta apenas começar a juntar a pequena fortuna que será necessária para comprar as placas de vídeo e monitores capazes de reproduzir os games em 8K. Também não podemos esquecer dos aparelhos de realidade virtual e... talvez seja melhor pensar logo em uma forma de ficar rico.

Desempenho extremo: kit de memória DDR4 da G.Skill bate 4000 MHz de fábrica

Quem acompanha as notícias sobre overclock aqui no TecMundo sabe que o sucesso da prática em níveis extremos depende muito da qualidade e capacidade de cada item do hardware. Nesse sentido, uma das partes mais sensíveis do conjunto são os módulos de memória. Até há pouco tempo, os overclokers precisavam fazer o impossível para quebrar a barreira dos 4.000 MHz com a peça. Para tornar o processo menos desgastante, a G.Skill anunciou o primeiro kit de RAM do mundo que chega ao consumidor final já nesse patamar.

Sucessores da badalada linha Trident da empresa, os pentes com a marca Trident Z Extreme tiveram seus componentes escolhidos a dedo – através de uma técnica “secreta” da companhia – para garantir performance e estabilidade para quem não quer perder tempo com testes e litros de nitrogênio líquido. A série é composta de conjuntos de 8 a 64 GB de RAM DDR4, que contam com chips fabricados pela Samsung e suportam frequências entre 2.800 e 4.000 MHz.








Desempenho extremo: kit de memória DDR4 da G.Skill bate 4000 MHz de fábrica

O dissipador responsável pelo resfriamento do brinquedinho é uma peça única e ostenta um belo design – fator mais do que bem-vindo para quem possui um casemod que deixa o interior do PC exposto. Além disso, o produto tem todas as especificações para funcionar com a plataforma Skylake-S – que vai abrigar os robustos processadores de 6ª geração da Intel – e as placas-mãe com o chipset Z170.

Aproveitando a deixa, a G.Skill também lançou a nova geração de seus kits de memória Ripjaws. Ainda que tenha uma performance mais humilde que a série Trident Z, os pentes DDR4 Ripjaws V não decepcionam, contando com módulos de baixa voltagem que trabalham em velocidades entre 2133 e 3733 MHz. O destaque da família, porém, são as cores chamativas disponíveis para o hardware: Blazing Red (vermelha), Steel Blue (azul), Radiant Silver (prata), Gunmetal Gray (cinza) e Classic Black (preta).









Desempenho extremo: kit de memória DDR4 da G.Skill bate 4000 MHz de fábrica

Ainda não se sabe qual será o preço dessas belezinhas e quando elas estarão disponíveis para os aficionados por overclock. Apesar disso, é quase certo que não veremos esses produtos em terras brasileiras tão cedo – pelo menos de forma oficial.


FONTE(S)
G.Skill

Empresa lança a RRAM, uma memória 20 vezes mais rápida que a flash

Comparação entre a RRAM e a Flash NAND (Fonte da imagem: Reprodução/VentureBeat)
A empresa americana Crossbar anunciou hoje (5) um novo tipo de chip de memória que poderá substituir a memória flash em uma série de aplicações.
Trata-se da RAM Resistiva (Resistive RAM, ou RRAM), uma tecnologia que pode armazenar 1 terabyte de dados em um único chip menor que um selo postal. O projeto foi desenvolvido por uma startup chamada Santa Clara, localizada na Califórnia, EUA.
A RRAM é capaz de acessar dados 20 vezes mais rápido do que a melhor memória flash disponível no mercado atualmente. E ela poderá causar um sério estrago no mercado de memória flash, que está presente em diversos gadgets, como iPhones, tablet e câmeras digitais, causando prejuízos de 60 bilhões de dólares.
Da mesma forma que a flash, a RRAM é uma memória de armazenamento não volátil, o que significa que pode guardar dados de forma permanente, mesmo quando a energia é desligada.

Mais rápida e resistente

A Crossbar afirma que a RRAM vai permitir uma nova onda de inovação eletrônica para consumidores, empresas e indústrias. Com armazenamento de 1 TB, por exemplo, será possível adicionar 250 horas de filme de alta definição no pequeno chip.
Além disso, ela gasta 20 vezes menos energia, o que estende a vida útil da bateria dos dispositivos por semanas, meses ou anos. A empresa afirma também que a RRAM é 10 vezes mais resistente que os chips de memória flash NAND.
A Crossbar acredita que poderá gravar dados em seu chip a uma velocidade de 140 megabytes por segundo, em comparação aos 7 megabytes por segundo da memória flash. O desempenho de leitura é de 17 megabytes por segundo.
De acordo com George Minassian, presidente-executivo da Crossbar, a tecnologia é fácil de ser fabricada e em três anos ela já estaria disponível no mercado. É claro que a tarefa não será fácil para a empresa, já que é sempre difícil substituir uma tecnologia existente operando em larga escala por uma nova. 
FONTE(S)